quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Dois livros frustrantes


Há dois livros que li em 2010 e foram frustrantes. Um de conteúdo teórico jornalístico, voltado para área prática, e outro de conteúdo cristão. De todos que li em 2010, estes foram os únicos que não gostei, mas que possuem sua validade, mesmo que para mim sejam fraquíssimos.

A primeira frustração de 2010 foi “Jornalismo de Revista”, da autora Marília Scalzo. É um livro bastante didático e agradável para os iniciantes sobre o assunto. Traz um resumo muito pequeno sobre a história da revista no Brasil e ensina algumas práticas nas redações. Há no mercado brasileiro outros livros com conteúdos mais apurados sobre história da revista no Brasil e no mundo. Este livro é interessante para estudantes de jornalismo que ainda não entraram no mercado ou que não têm nenhuma noção de como se faça uma revista. No meu caso, foi frustrante ler sobre o que já não tinha mais importância para mim.

A segunda frustração de 2010 foi “Sexo: espiritualidade, instinto e cultura”, de Ageu Heringer Lisboa. Confesso que fui atraída pelo título do livro, mas ao lê-lo (em uma tarde, diga-se de passagem) não encontrei o que realmente buscava. Se no título há termo que remeta à espiritualidade, deveria haver algo mais profundo neste sentido no decorrer do livro. Procurei, li e até hoje não encontrei. Talvez este livro seja interessante para adolescentes cristãos, na faixa entre 14 e 16 anos. Não recomendo àqueles que desejam casar em breve, porque não contribuirá em muita coisa.

A explosão da Rússia

O autor do livro é o historiador Felshtinsky e seu coautor, o ex-agente da KGB, Litvinenko, que foi morto através de envenenamento com polônio 210, em 1º de outubro em 2006, na Grã-Bretanha, onde recebeu asilo político em 2001. 

O livro conta toda a trama da liderança russa na destruição de prédios residenciais em Ryazan, uma cidade provinciana da Rússia, em 2000, para acusar os chechenos a fim de poder ter a “autorização” internacional para invadir a Chechênia. É um verdadeiro relato de como hoje em dia os russos ainda matam envenenadas tantas pessoas, basta que elas não agradem às autoridades. Revela também como os empresários russos são perseguidos e assassinados naquele país e seus bens roubados pelo Governo. Explica como foi a deserção de Litvinenko e como o FSB atual é apenas uma continuação do KGB da época do Comunismo soviético.

É de leitura acessível, mas se o leitor não estiver acostumado com termos e nomenclaturas russas, poderá se icomodar um pouco, sendo cansativa a leitura. Contudo, se ele vencer o desafio de alguns termos, não vai se arrepender por ler até o fim este livro. Absurdamente estarrecedor. O livro é proibido na Rússia, e sua população só tem acesso a ele através da internet. Dá prazer ao concluir porque você ficará por dentro do que acontece no submundo político da Rússia atual, e saberá de fatos que não se contam nos jornais... Eu adorei! Litivinenko morreu afirmando que os reponsáveis por sua morte fazem parte do FSB, atual polícia secreta da Rússia.

Segundo o The Guardian: "Um forte golpe". 


Título: A explosão da Rússia – uma conspiração para restabelecer o terror do KGB.
Autor: Yuri Felshtinsky e Alexander Litvinenko
Gênero: Política
Editora: Record
Formato: 16 x 23 cm
Páginas: 294
Preço na editora: R$ 44,90
 

Operação condor - o sequestro dos uruguaios


O jornalista faz uma compilação de uma série de reportagens sobre este caso e acrescenta várias informações que na época não puderam sair na revista Veja. O livro traz informações riquíssimas da época e no final dois anexos: um sobre a ditadura no Uruguai e outro sobre a Operação Condor, o terror da ditadura no cone sul da América.

Essa grande reportagem foi escrita em forma de romance. A leitura é muito boa, escrito de forma bastante atraente, com capítulos bem divididos. Recomendável aos interessados pela história da ditadura no Brasil no cone Sul e também para os interessados sobre a ligação entre a ditadura nacional e uruguaia.

Título: Operação condor: o sequestro dos uruguaios
Autor: Luiz Cláudio Cunha
Gênero: Reportagem
Editora: L&PM
Formato: 16 x 23 cm
Páginas: 472
Preço na editora: R$ 49,00

Memórias da Casa dos Mortos



Memórias da Casa dos Mortos é um “divisor de águas” na carreira literária do russo moscovita Fiódor Mikhailovitch DOSTOIÉVSKI. O romance, publicado em 1862, narra a história verídica dos tempos de prisioneiro vividos pelo autor do livro. Na pele do personagem Alieksandr Pietróvitch, o autor narra a própria história através de relatos feitos por ele durante o período que passou na Sibéria, condenado a cinco anos de trabalhos forçados por lutar pelo ideal socialista.

Com a Bíblia sempre disponível, era um leitor árduo da Palavra durante todo o período de clausura. O escritor russo narra com detalhes o cotidiano fatídico dos prisioneiros, desde a falta de higiene até as “fugas” subornadas que alguns faziam para se divertir com mulheres fora do presídio. Ele conta como é terrível ser um aristocrata mergulhado num ambiente em que se misturavam camponeses assassinos, psicopatas, homens de bem – que por um momento de cólera “trocaram” a liberdade pela prisão -, assaltantes, gente que professava o Judaísmo, o Islamismo, o Cristianismo, e gente que não professava fé nenhuma.

A narrativa é muito interessante, detalhada e faz o leitor vislumbrar cada pormenor do local e ver os acontecimentos como se fosse um filme. Ele descreve personalidades bem distintas, conta como conseguiu fazer amigos – e sem querer, inimigos também – e como sobreviveu àqueles tempos difíceis. Livro indispensável para leitores amantes da literatura russa e para se compreender a segunda fase literária de Dostoiévski: seus textos pós-presídio são incomparavelmente melhores, e por isso, mais reconhecidos, do que os anteriores.

Título: Memórias da Casa dos Mortos
Autores: Fiódor Dostoiévski
Gênero: Romance
Editora: L&PM - Coleção L&PM Pocket
Formato: 10,7 x 17,8 cm
Páginas: 336
Preço na editora: R$ 19,50

Jornada no Império - vida de Dr. Kalley no Brasil



Jornada no Império trata da história do médico e missionário escocês Robert Reid Kalley. Juntamente com sua esposa Sarah Kalley, ele implantou no Brasil a primeira igreja protestante, no século XIX. O livro, escrito por William Forsyth, inicia relatando desde o chamado de Deus a Kalley e seus trabalhos na Ilha da Madeira, na Europa, até sua morte.
A vida de Kalley é um exemplo a ser seguido pelos cristãos do século XXI. Ele, rico médico, juntamente com sua esposa, de família nobre, não desobedeceu à voz do Senhor. Kalley usou seus conhecimentos médicos em toda sua jornada como missionário. Ele sempre evangelizava e conseguiu deixar um legado enorme no Brasil. Foi um obreiro sábio, pois não apenas pensou na evangelização, como também treinou outros líderes, fundou três igrejas, sendo a primeira a Igreja Fluminense, depois a Igreja Pernambucana e Primeira Igreja de Niterói. O casal foi responsável pela implantação do Congregacionalismo em solo brasileiro.
Além disso, Kalley ajudou a fomentar a ideia da abolição da escravatura e teve apoio do imperador Dom Pedro II para dar continuidade aos seus trabalhos de evangelização. Por vezes, a igreja protestante foi perseguida e o casal atacado algumas vezes, principalmente no Nordeste, em Pernambuco. O livro é muito precioso por relatar de maneira concisa e ao mesmo tempo detalhada as ações deste nobre casal de missionários, ao qual nós, congregacionais, e protestantes, no geral, devem, por sua coragem, ousadia e por ter convencido o Império de que a liberdade religiosa era fundamental para o desenvolvimento da nação.
Título: Jornada no Império – Vida e obra do Dr. Kalley no Brasil
Autores: William B. Forsyth
Gênero: História do Congregacionalismo/da Igreja no Brasil
Editora: Fiel
Formato: 14 x 21cm
Páginas: 254
Preço na editora: R$ 29,00

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Como começou a Guerra Fria - o caso Igor Gouzenko


Doutora em política russa, a escritora fez um trabalho singular por ter o privilégio de conseguir informações diretamente do banco de dados oficial do Governo do Canadá. Ela conseguiu muitos dados sobre o caso Igor Gouzenko, o desertor da Era soviética, logo após a 2ª Guerra Mundial. O livro explica como teve início a Guerra Fria, como a União Soviética, que tinha se transformado em “grande amiga” do Canadá, passou a ser considerada uma inimiga mortal. Explica como Stálin conseguia espiões no Canadá, nos EUA e na Grã-Bretanha e escondia a realidade pobre e chocante da sociedade soviética. Ele mostra também como Stálin conseguiu informações preciosas sobre a bomba atômica e tinha acesso a informações de “segredo de estado” dos governos canadense, americano e britânico.

Livro bastante esclarecedor, muito bem elaborado, história muito marcante para a história da humanidade, Segunda Guerra e Guerra Fria. Recomendo a todos os interessados em história sobre política, Segunda Guerra, Guerra Fria, história soviética e canadense.

Título: Como começou a Guerra Fria – o caso Igor Gouzenko e a caçada aos espiões
Autores: Amy Knight
Gênero: Política           
Editora: Record
Formato: 16 x 23cm
Páginas: 364
Preço na editora: R$ 49,90

Primeiro Amor

Belíssima novela de Turguêniev, “Primeiro Amor” é uma de suas obras literárias mais importantes. Para quem gosta de textos com profunda sensibilidade, vai adorar a narrativa. Não pude conter minha emoção ao terminar de ler. Uma história comovente, onde o autor evoca o amor, contudo, sob aspecto pessimista. Com fortes características do Romantismo, o livro surpreende em sua etapa final. O amor idealizado, maltratado, exacerbado, se encontra com a realidade que desfaz toda a fantasia. Turguêniev, juntamente com Dostoiévski, Gógol, Tchékhov e Tolstói, faz parte do grupo literário russo mais importante do século XIX.


Título: Primeiro Amor
Autor: Ivan Turguêniev
Gênero: Novela - Literatura russa
Série: L&PM Pocket Plus
Editora: L&PM
Formato: 10,7 x 17,8 cm
Páginas: 112
Preço na editora: R$ 8,00
 

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

O homem de São Petersburgo


História muito fascinante! Duvido alguém acertar o final da trama. Especulei várias vezes e fiquei pensando: “Será que o autor vai fazer isso com tal personagem?”. O romance tem toques de aflição, de drama, muita ação, amor, suspense. Uma história que vai demorar a sair da minha cabeça.

Ken Follett escreve formidavelmente bem. Sua narrativa, que passa poucos meses antes da Primeira Guerra Mundial, prende o leitor. Estamos em Londres do final do século XIX e início do século XX. Um acordo entre a Rússia e a Inglaterra está ameaçado pela tentativa de assassinato de um príncipe russo em solo inglês. O assassino, quem diria, no passado havia sido o grande amor da esposa do representante inglês neste acordo, o “homem de São Petersburgo”, um anarquista russo. No meio da trama, um romance, um dilema, uma sociedade hipócrita e a realidade devastadora – ou uma paixão avassaladora?

Excelente livro para ler sem pressa, atentamente e sem dia para terminar...

Título: O homem de São Petersburgo
Autores: Ken Follett
Gênero: Romance/Suspense
Editora: Edições BestBolso
Formato: 12 x 18cm
Páginas: 434
Preço na editora: R$ 19,90

O que disseram:
“Um dos romances mais refinados de Follett.” Time

“Ken Follett conseguiu mais uma vez. Relaxe e aproveite a leitura como se estivesse bebericando um martíni.” The New York Times Book Review